A boçalidade não tem limites

«Carta à minha Mãe» foi enviada aos pais nas mochilas das crianças. É um bebé, que não chegou a viver, porque «uma faca» surpreendeu-o. Jardim de infância, ligado à igreja, distribuiu panfleto. Objectivo é «informar»

«Querida mamã:


Apesar de tu não teres querido que eu nascesse, não posso deixar de chamar-te “mamã”.

Escrevo-te do mundo do além, para te dizer que estava muito feliz quando comecei a viver no teu seio…Eu desejava nascer, conhecer-te…E pensava que um dia seria uma criança muito alegre. Sonhei poder ir à escola e chegar a ser um homem importante…Eu acreditava que, quando se completassem os nove meses de estar juntinho ao teu coração e nascesse, todos lá em casa iriam alegrar-se com a minha chegada.

Mas tu não pensavas como eu – não é verdade, mamã?... – E um dia, quando estava tão feliz a brincar no mais íntimo das tuas sagradas entranhas, senti algo muito estranho, que não saberia como explicar: algo que me fez estremecer. Senti que me tiravam a vida!... Uma faca surpreendeu-me quando eu brincava feliz e quando só desejava nascer para te amar.

Naquele momento, não compreendi quem me estava a tirar a vida…

Diz-me, mãe: - quem poderia entrar cruelmente dentro de ti e chegar onde, com tanta segurança, eu me encontrava, a fim de matar-me? Quem é que sabia que eu estava lá?... Quem foi mamã?

Não sei o que cheguei a pensar… Perdoa-me, mas por um momento a dúvida passou pela minha cabeça e acreditei que só tu o poderias ter feito. Perdoa-me este mau juízo. Como poderia eu imaginar que uma mãe fosse capaz de matar o seu filho quando, em casa, não estorvam nem o gato, nem a televisão?

Agora, mamã, sei tudo… Estou aqui no outro mundo e um companheiro que teve a mesma sorte que eu, disse-me que sim, que fostes tu… Disse-me que há mães que matam os filhos antes de nascerem.

Mãe, como fostes capaz de matar-me?... Como foi possível que tivesses feito tal coisa contra mim? Por acaso pensavas comprar uma máquina de lavar ou um aspirador, com os gastos que talvez eu te iria causar? O mau conselho que te deram, escutaste-o antes de ouvir o teu coração.

Como consentiste que me cortassem aos bocados, me atirassem para um balde?

Tinha tantas ilusões… tiraste-mas todas. Pensava poder vir a ser um bom engenheiro ou um sacerdote ou um santo… Poderia ter sido um bom filho e ser um bom pai, mas tu negaste-me tudo…

Sabes uma coisa, mamã? Ontem estive a falar com Deus e pedi-lhe que por favor me esclarecesse tudo acerca da verdade da minha morte. Ele abraçou-me com muito carinho e disse-me muitas coisas… As mesmas que sempre esperei escutar dos teus lábios, quando esperava que, um dia, me embalassem nos teus braços. Disse-me que só Ele é o Senhor da vida, e que ninguém tem o direito de a tirar. Olha, mamã, já me ia a esquecer de que Ele me disse que terás de Lhe dar contas do que fizestes! Dos meus olhos caíram torrentes de lágrimas e de saudade.

Mamã, antes de me despedir de ti, peço-te um favor: Que esta carta que te escrevo, a dês a ler às tuas amigas e futuras mães, para que não cometam o monstruoso crime que tu cometeste.

Envio-te o carinho que desejaria ter-te dado em vida… E peço-te que te arrependas daquilo que fizeste ao teu filho, que nunca nasceu.»


fontes:
Portugal Diário
Sim no Referendo
Diário Ateísta
Faz-te ao Largo

0 bitaite(s) sobre “A boçalidade não tem limites”

Enviar um comentário

Procura aí

Esbloga-mos fm

Estão a esblogar

Já esblogaram



XML

Get Firefox!
 Use OpenOffice.org
Get Amsn!